A internet tem um “portal” que foi aberto em duas cidades europeias, Vilnius e Lublin, que foi construída para encurtar a distância entre as pessoas. O projeto não apenas tem uma significância incrível, mas também parece extremamente bacana e futurista.

O portal tem um formato circular que simboliza a roda do tempo, e na ficção científica, representa o espaço e o tempo, que remonta a um portal circular. Esta ponte virtual entre a capital da Lituânia, Vilnius, e uma das cidades polonesas mais antigas, Lublin, é a primeira já criada. Em Vilnius, o portal pode ser encontrado ao lado da estação de trem Vilnius. Em Lublin, ela reside em Plac Litewski.

Estas duas cidades têm uma conexão histórica, uma vez que a União de Lublin foi assinada em 1 de Julho de 1569 entre a Polônia e a Lituânia naquela mesma cidade. Essa união criou um único Estado, a República Polonesa-Lituana, um dos maiores países da Europa na época. É realmente simbólico que essas duas cidades sejam as únicas a espalhar a mensagem por trás do projeto, que é estar unido e não dividido.

Os ‘portais’ têm telas e câmeras para transmitir a outra cidade ao vivo. A visão que você vê na tela é feita para se assemelhar ao que os astronautas enxergam quando olham por uma janela na Estação Espacial Internacional em direção a Terra.

É chamado de “efeito visão geral” que os astronautas experimentam quando vêem a Terra no espaço, tão pequena, tão frágil neste gigantesco universo.

Hazzaa Ali Almansoori, a primeira pessoa dos Emirados Árabes Unidos no espaço, disse :”É incrível como o espaço une a todos. Não importa de que país você vem, não importa sua religião ou seu passado, isso une a todos… Nosso objetivo é um só: é pela humanidade.”

O portal é silencioso, pois seria tecnicamente difícil transmitir som 24 horas por dia, 7 dias por semana, porém, é possível incluí-lo e será no caso de eventos especiais.

Apesar disso, os criadores do projeto acreditam que as pessoas encontrarão uma maneira de se comunicar. Eles notaram que as pessoas acenam, mandam beijos ou fazem flexões, então elas acabam se envolvendo.

A equipe nos contou que “parece que com medidas físicas como o PORTAL as barreiras psicológicas internas desaparecem e as pessoas se envolvem na ação em frente ao portal com entusiasmo e são amigáveis umas com as outras. A maioria não precisa de encorajamento e se aproxima do portal com curiosidade ou talvez buscando conexão humana durante essa pandemia.” Eles acham que uma conversa com estranhos na rua apresentaria dificuldades e parece que o portal deixa as pessoas mais relaxadas.

O principal objetivo do projeto é conectar as pessoas. No site oficial, eles afirmam :”Cercar-nos apenas com aqueles que estão próximos e falam a mesma língua nos dá conforto e uma sensação de estabilidade. Também limita a perspectiva mundial ao círculo interno estreito do nosso. Lamentavelmente, torna-se um espaço perfeito para despertar inseguranças para aqueles fora dele e uma desculpa perfeita para ser descuidado com o mundo que lhes pertence. A cada dia há menos espaço para o diálogo, empatia e compaixão, por sentir e estar unido em nossa casa… É tão fácil acreditar que somos cada um uma onda e esquecer que também somos o oceano. Vamos transcender esse sentimento de separação e ser os pioneiros da unidade.”

Parece que estamos recebendo alienígenas na Terra, mas às vezes tratamos as pessoas como se não fossem deste planeta e não merecessem estar aqui. A pessoa por trás da ideia, Benediktas Gylys, diz que muitos dos desafios potencialmente mortais que a humanidade está enfrentando, como a polarização e as mudanças climáticas, foram causadas pela falta de compreensão dos outros e do mundo em geral. Assim, o PORTAL deve unir as pessoas e é um convite para superar a ilusão de divisão que nós mesmos criamos.

Embora não seja um portal que vemos em filmes ou lemos em livros, ainda é a coisa mais próxima do teletransporte e é tão legal que você pode se comunicar exclusivamente com pessoas aleatórias na rua que estão a centenas de quilômetros de distância.

Parece um Stargate que você não pode atravessar fisicamente, mas se estiver na Lituânia pode ver a Polônia em tempo real e vice-versa.

O projeto teve seus desafios: “Em primeiro lugar, foi um desafio elaborar um projeto para o PORTAL que seja mínimo e simples, mas capaz de carregar todos os dispositivos eletrônicos complexos, evitar vandalismo e impacto ambiental negativo”. Em seguida, o projeto teve que se materializar e depois de muitos testes, optou-se por usar “concreto, aço inoxidável e vidro temperado para construir esse dispositivo de 11 toneladas de 3 metros de largura…”.

Tudo se concretizou porque as pessoas do Centro de Criatividade & Inovação da Universidade Técnica Vilnius Gediminas “LinkMenų fabrikas” eram loucas o suficiente para acreditar na ideia e foram capazes de realizá-la.

O projeto foi concluído durante uma pandemia, quando viajar entre os países tinha várias restrições. Os criadores da Vilnius Tech haviam trabalhado no portal há 5 anos e agora era a melhor época para revelar a criação publicamente, em um momento em que as pessoas estão isoladas ansiando por algo novo.

O portal entre Vilnius e Lublin foi o primeiro do mundo, mas não será o último. Os criadores do projeto esperam conectar dezenas de cidades pelo mundo començando por Reykjavik, na Islândia e outra em Londres, Reino Unido.

A equipe revelou que Reykjavik foi escolhido por causa da importante narrativa histórica que a conecta à Lituânia: a Islândia foi a primeira a reconhecer a independência da Lituânia em 1991 e os lituanos são gratos por isso e querem continuar a parceria entre os países. Além disso, Reykjavik contrasta perfeitamente com Vilnius.

Vilnius permanecerá ligada a Lublin até agosto. Depois mudará para outra cidade. Os criadores do projeto acham que é possível que no futuro os portais mudem de cidade a cada 10 minutos ou mais porque estão abertos a todos que queiram participar.

Embora as cidades tenham um tempo limitado de conexão, o projeto não tem prazo, “o projeto durará até a destruição do planeta ou o fim dos problemas que causam a divisão entre as pessoas”.

 

Fonte: HypeScience