Uma equipe de professores, alunos e profissionais do Hospital das Clínicas (HC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) está focada em analisar a influência da obesidade na evolução para as formas graves da doença causada pelo novo coronavírus.

Para o estudo, estão sendo avaliados dados clínicos e de imagem de pacientes internados no HC e em outros três hospitais públicos de Recife.

Simone Brandão, médica nuclear e cardiologista do Hospital das Clínicas, coordena a pesquisa. Segundo ela, que também é professora da UFPE, já é possível afirmar que indivíduos com doenças relacionadas a estados inflamatórios crônicos, como doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade, possuem maior risco de evoluir para a fase hiperinflamatória da covid-19. Ela destaca as complicações relacionadas à obesidade.

De acordo com a professora, por meio de exames de imagem, a pesquisa avalia a relação entre a deposição de gordura do abdome e a evolução da covid-19.

Embora o estudo esteja na fase de coleta, Simone diz que os resultados parciais reforçam dados relatados por outros estudos, que mostram a associação do Índice de Massa Corporal (IMC) e casos graves da doença.

A pesquisa clínica “Impacto da obesidade na evolução da covid-19 grave” pretende ainda avaliar o perfil desses obesos que contraíram a doença e como cada organismo reagiu.

O Hospital das Clínicas é uma unidade vinculada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares e está tratando pessoas com a covid-19 desde abril.

 

Fonte: EBC