Neste momento, a secretária executiva do Ministério da Mulher da Família e dos Direitos Humanos, Tatiana Alvarenga; o presidente da Funai, Marcelo Xavier; e o secretário especial de Saúde Indígena, Robson Santos; participam da entrevista sobre temas da Secretaria Especial de Saúde Indígena para enfrentamento à covid-19.

Em Manaus, foi inaugurado, no fim de maio, uma ala hospitalar destinada ao atendimento de indígenas infectados pelo novo coronavírus. Adaptado a tradições e costumes indígenas, o espaço funciona no Hospital de Retaguarda Nilton Lins, que, desde abril, é considerado referência para o tratamento de pacientes com covid-19.

A ala indígena conta com 53 leitos, sendo 33 leitos clínicos, 15 leitos em unidade de terapia intensiva (UTI) e cinco em unidades de cuidados intermediários (UCI), além de posto de enfermagem. Um espaço foi destinado à instalação de redes e outro para a realização de rituais religiosos, respeitando as diversidades étnicas.

A primeira contaminação de indígena brasileiro pelo novo coronavírus foi confirmada pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas no início de abril. Segundo a fundação, vinculada à secretaria estadual de Saúde (Susam), trata-se de uma jovem de 20 anos de idade, da etnia Kokama, que trabalha como agente de saúde indígena na região da cidade de Santo Antônio do Içá (AM).

Fonte: ebc