Em fala inicial à CPI da Covid, o ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias afirmou que não teve participação na negociação do contrato de compra da vacina indiana Covaxin. O servidor da pasta Luis Ricardo Miranda, também em depoimento ao colegiado, citou seu nome como um dos responsáveis pela “pressão” para que o negócio fosse agilizado.

Ao rebater as acusações do servidor e de seu irmão, o deputado Luis Miranda (DEM-DF), Dias questionou as intenções de ambos. O ex-diretor afirmou que negou pedido de cargo para o irmão de Miranda e, por isso, imaginou estar sendo alvo de “retaliação”.

Dias tentou colocar sob suspeita a movimentação do parlamentar no caso. “Teria eu atrapalhado algum negócio do deputado?”, levantou Dias, afirmando que Luis Miranda tem um “currículo controverso que é de conhecimento público”.

Segundo o ex-funcionário da Saúde, Miranda manteria contato com Cristiano Carvalho, representante da Davati no Brasil, desde setembro. O policial Luiz Paulo Dominguetti se apresentou como representante da empresa ao oferecer 400 milhões de doses da Astrazeneca ao governo. “Deputado mentiu e possuía contato com Cristiano desde setembro”, disse, questionando ainda se teria ele “atrapalhado” algum “negócio” do parlamentar.

 

Fonte: Terra