kic-8462852
Crédito: Pearce et al., arXiv, 2021

Uma nova pista acaba de ser encontrada que poderia ajudar a resolver o mistério de uma estrela que sofre um estranho escurecimento. KIC 8462852, também conhecida como Estrela de Boyajian, parece ter um companheiro binário que poderia estar contribuindo para suas flutuações irregulares no brilho.

Se confirmada com observações mais detalhadas, a estrela companheira recém-descoberta poderia ajudar os astrônomos a finalmente resolver o mistério contínuo de KIC 8462852.

A estrela foi descoberta em 2015 pela astrônoma Tabetha Boyajian, e desde então provou ser um verdadeiro quebra-cabeça. É uma estrela anã amarelo-branca a cerca de 1.470 anos-luz de distância, e continua escurecendo de forma errática. Não há regularidade nem para o momento de escurecimento da estrela, ou a quantidade de luz que ela perde – algumas perdas de luz na estrela chegaram a 22%.

Esse comportamento não ‘causado por planetas planetas; quando um exoplaneta passa entre uma estrela e a Terra à medida que orbita, ele diminuirá a estrela em uma pequena quantidade — 1% ou menos — em intervalos regulares.

Além disso, quando a Estrela de Boyajian escurece, alguns comprimentos de onda são bloqueados mais do que outros. Isso exclui um objeto sólido (como uma megaestrutura alienígena, como proposto em 2016), que bloquearia todos os comprimentos de onda igualmente.

Até agora, a explicação mais provável parece ser poeira e detritos opticamente finos, possivelmente de planetesimais fragmentados ou cometas em órbitas excêntricas, em combinação com variações normais de brilho da própria estrela.

A presença de uma estrela companheira binária em uma órbita ampla poderia ajudar a explicar a presença de todo esse material, fornecendo perturbações gravitacionais adicionais para perturbar corpos em órbita.

Desde 2016, uma equipe de astrônomos liderada por Logan Pearce, da Universidade do Arizona, tenta confirmar a potencial conexão de uma estrela próxima ao KIC 8462852. Seu trabalho foi agora aceito no The Astrophysical Journal.

A dificuldade de medir o espaço em três dimensões é o que tornou este trabalho complicado. Estrelas que parecem bem próximas podem estar a distâncias muito diferentes do espectador. Então, Pearce e sua equipe usaram cinco anos de observações para fazer medições astrométricas precisas da estrela fraca que parecia perto de KIC 8462852.

“Neste trabalho, usamos três épocas de astrometria Keck/NIRC2 que abrange cinco anos para revisitar o status do companheiro próximo ao KIC 8462852, e mostrar que eles são um par de movimento adequado comum e um sistema binário gravitacionalmente conectado”, escreveram em seu artigo.

Além das observações do Observatório Keck, a liberação em 2020 de dados astrométricos do satélite Gaia — o mapa tridimensional mais completo e preciso da Via Láctea até o momento — também incluiu a estrela fraca, com medições de acordo com as descobertas da equipe.

As duas estrelas são separadas por uma distância de 880 unidades astronômicas. Boyajian’s Star, ou KIC 8462852 A, é a estrela maior, com cerca de 1,36 vezes a massa e 1,5 vezes o tamanho do Sol. O companheiro, KIC 8462852 B, é uma estrela anã vermelha cerca de 0,44 vezes a massa e 0,45 vezes o tamanho do Sol.

Em uma órbita tão ampla, kic 8462852 B seria improvável de ter qualquer efeito direto sobre o brilho de KIC 8462852 A. Mas ainda poderia desempenhar um papel nas flutuações misteriosas da estrela maior, disseram os pesquisadores.

“O companheiro binário pode influenciar a evolução a longo prazo do sistema”, escreveram em seu artigo.

Cientistas descobriram anteriormente que estelares binárias muito distantes podem ser empurradas por forças gravitacionais maiores para se mover muito perto de seu centro mútuo de massa várias vezes ao longo de aproximadamente de 10 bilhões de anos.

Por sua vez, isso pode resultar na ruptura de planetas e outros pequenos corpos em órbita já que eles são esticados e comprimidos e finalmente dilacerados por interações gravitacionais, resultando em nuvens de detritos.

O cenário ainda não foi confirmado. Com uma distância tão ampla, as duas estrelas teriam uma órbita extremamente longa, e as observações feitas não eram suficientes para caracterizar essa órbita. KIC 8462852 B pode ser uma estrela que foi ejetada do sistema; ou as duas estrelas poderiam ser membros de um grupo que se move junto.

Os pesquisadores acreditam que um binário é a explicação mais provável para suas medições das duas estrelas, mas futuras medições do par serão necessárias para entender melhor seu relacionamento. Isso pode ajudar a confirmar ou descartar o papel do KIC 8462852 B no brilho errático da estrela.

Mas para todos os amantes de mistérios, não temam. Há outras estrelas escurecendo estranhamente pelo céu.

A pesquisa da equipe foi aceita no The Astrophysical Journal, e está disponível no arXiv.

 

Fonte: HypeScience / Marcelo Ribeiro